blog

IV Curso de Sensibilização do Método Canguru forma mais profissionais do HSC

Entre os dias 24 e 26 de setembro, aconteceu a 4ª edição do Curso de Sensibilização do Método Canguru, ministrado pelas tutoras do Ministério da Saúde, Sandra Regina de Souza e Nelma Cabral. Mais de 30 profissionais de enfermagem da UTI Neonatal do HSC e de outros hospitais de Campinas foram capacitados e estão aptos a aplicarem o Método, tão benéfico aos bebês prematuros e suas famílias.

Durante três dias, os participantes fizeram uma imersão e foram transformados. “O que fazemos é aplicar a política pública de Saúde de forma dinâmica para que eles possam meditar no tema e elaborarem a transformação na prática, a qual traz benefícios fundamentais aos recém-nascidos e famílias”, disse Sandra.

O HSC é o primeiro hospital da rede privada de Campinas a promover o curso e um Hospital que tem profissionais capacitados, tanto o bebê quanto a família serão melhores assistidos.

“O Hospital que tem a sensibilização para o Método Canguru oferece um cuidado especializado para o bebê e para a família reduzindo a mortalidade. Dentro do programa, existe discussões também para os cuidados com a equipe que cuidam desse bebê. Dessa forma, há melhoria na qualidade de vida dos profissionais que trabalham na Unidade. A equipe precisa estar bem para cuidar do recém-nascido e da família”, completou Sandra.

Tempo de Casa

No mês de outubro, são 11 colaboradores que completam entre cinco e vinte e cinco anos de trabalho no HSC. Um grande abraço e nosso eterno carinho por toda dedicação e empenho.

DATA ADM COLABORADOR CARGO TEMPO
02/10/2014 Lucia Nogueira dos Santos    
Tec. de Enfer. 5
15/10/2014 Leonardo A. Santana          
Porteiro                      5
01/10/2014 Ercílio Tereza de Camargo   
Assistente de SAC  
5
15/10/2014 Jessica Lodi Dorta Beni          
Nutricionista                 5
21/10/2014 Ana Karolina C. do Amaral Enfermeira                    5
19/10/2009 Silvia Cristina S. Pastor  
Farmacêutica
10
19/10/2009 Orlando Helio de Oliveira   
Tec. de Enfermagem     
10
11/10/2004 Júlio Cesar Gomes            
Porteiro                      15
08/10/2004 Adão Luiz Vieira              
Aux. de Cozinha               15
11/10/1999 Ângela Maria C. Borges
Enfermeira                    20
05/10/1994 Eliane Cristina Teixeira 
Aux. Adm Enfermagem
25

SIPAT tem palestras sobre qualidade de vida, motivação, saúde e segurança do trabalho

A Sipat (Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho) aconteceu entre os dias 9 e 13 de setembro e contou com dez palestras que abordaram qualidade de vida, motivação, cuidados, saúde e segurança do trabalho. O tema foi Qualidade de Vida e Segurança no Trabalho”.

“Ser trabalhador da saúde é um dom. Saber lidar com a dor e sofrimento do próximo, exige dos profissionais mais do que profissionalismo e competência técnica. Exige amor à profissão, carinho, atenção, compreensão e atendimento digno”, disse a enfermeira da Medicina do Trabalho, Ana Cristina Silva.

“Houve grande envolvimento dos departamentos no evento. Os profissionais que participaram demonstraram muita satisfação por ter um momento dedicado a ele. Os colaboradores se sentiram importantes para nossa instituição”, avaliou Ana.

Paciente do HSC recebe visita de cachorra de estimação

A paciente Maria Inêz Polizelli, que está internada no Hospital Samaritano Campinas – credenciado PHS Samaritano Saúde – recebeu a visita da sua cachorra de estimação, Lili. O encontro aconteceu no dia 17 de setembro, na área externa do Hospital, e foi organizado pela filha da paciente, Mariane Mirandola, e pelos colaboradores da unidade. A ideia foi proporcionar melhora no quadro emocional tanto da Maria Inêz quanto da Lili que, depois de sete dias sem ver sua dona, voltou a comer e a beber água.

A visita foi marcada por muita emoção e Lili bebeu água no instante em que viu Maria Inez. “Eu acho que salvei a vida da Lili. Ela estava tão aborrecida e triste e quando me viu, foi só alegria. Eu adorei a visita dela”, destacou Maria Inêz que luta contra um câncer de mama raríssimo.

A visita de animais dentro do Hospital não é permitida, mas, a partir da autorização das médicas responsáveis e auxílio da enfermagem e do serviço social, o encontro surpresa aconteceu. “Lili foi adotada há mais de cinco anos e minha mãe sempre cuidou dela. Ela e minha mãe são muito apegadas. No Hospital, uma das enfermeiras nos perguntou se estava tudo bem e se minha mãe tinha alguém em especial que ela gostaria de ver. As amigas dela têm ido, os familiares também mas havia a Lili que estava em casa sem comer e beber água desde que minha mãe foi internada, no dia 11 de setembro”, contou Mariane que, naquele instante, perguntou sobre a possibilidade da visita da Lili para sua mãe.

“Sabíamos que não seria possível a entrada dela no Hospital, mas a enfermeira Juçara Muchetti Japecanga sugeriu levar minha mãe para fora do Hospital para ver a Lili. A Dra. Raquel da Silveira autorizou e, em menos de duas horas com a ajuda de amigos e familiares, conseguimos levar a Lili de Americana para Campinas. Toda a equipe de enfermagem foi mobilizada e quando a cachorra chegou, o técnico em enfermagem Eric Cremonesi colocou minha mãe, que não sabia da surpresa, na cadeira de rodas e a levou para receber a visita muito especial do lado de fora do Hospital”, disse.

HUMANIZAÇÃO
Mariane destacou o amor e a atenção que vem sendo prestado à sua mãe. “Ela nunca foi tão paparicada. No Hospital Samaritano Campinas tratam ela com muito carinho. Não foi só essa atitude, mas tantas outras já nos mostraram que toda a equipe tem empatia e humanização. Ela não é tratada como um número, mas sim como o ser humano incrível que ela sempre foi”, completou.

“Fazia muito tempo que não via minha mãe tão feliz e que não ouvia a gargalhada dela como vi e ouvi nesse dia em que a Lili foi visitá-la. Foi incrível também ver a empolgação dos profissionais de saúde e toda mobilização da enfermagem e a alegria do Eric em ser o escolhido para levá-la ao encontro da Lili”, finalizou.

HSC forma Núcleo para melhorar a qualidade da segurança do paciente

No dia 17 de setembro, será celebrado o Dia Internacional da Segurança do Paciente. Neste dia, a OMS (Organização Mundial da Saúde), lançará uma campanha mundial para promover a conscientização sobre a segurança do paciente. A ideia é que todos mostrem seu engajamento em tornar o cuidado de saúde mais seguro para os pacientes.

Aproveitando a oportunidade da celebração pela OMS do Dia Mundial da Segurança do Paciente, foi iniciada a constituição do NSP (Núcleo de Segurança do Paciente), que é formado por um grupo de profissionais integrantes da equipe multidisciplinar e serviços de apoio, com o objetivo de apoiar a direção na condução das ações de melhoria da qualidade da segurança do paciente.

“Os pacientes do Hospital Samaritano de Campinas só têm a ganhar com este trabalho.  O NSP é uma instância com objetivo de estabelecer estratégias e ações para promover a segurança interna do paciente. As estratégias são definidas pelo Núcleo e posteriormente disseminadas a todos os colaboradores da Instituição. As ferramentas de trabalho incluem padronização de processos com barreiras para minimizar os riscos ao paciente”, disse a enfermeira da Educação Permanente, Cleide Aparecida Moreira Sanches.

Ela explicou que os profissionais de saúde passam a realizar uma mesma forma de assistência aos pacientes, e, mesmo na individualidade de cada um, as barreiras de segurança proporcionam conforto e segurança. “O envolvimento dos profissionais de saúde em notificar os eventos adversos e eventos sentinelas de são de suma importância para levantamento de ocorrências e propor melhorias voltadas para Segurança do Paciente”, completou.

 “A diretoria do Hospital Samaritano Campinas incentiva e apoia todo e qualquer projeto que diz respeito a segurança do paciente. Permanência hospitalar com segurança significa fidelização”, concluiu o diretor técnico, Dr. Sergio Pinotti.

AÇÕES

Logotipo

E, para celebrar o Dia Internacional da Segurança do Paciente, nos dias 17 e 18 de setembro, o Núcleo de Segurança do Paciente do HSC, fará algumas ações, em todos os setores, para promover a conscientização e o engajamento de todos na melhoria contínua da segurança do paciente. Foi criado um logotipo para o Núcleo e banners serão produzidos sobre as metas de segurança do paciente e serão expostos no Hospital.

OMS quer mobilização conjunta

O tema da campanha da OMS é “Segurança do Paciente: uma prioridade global de saúde”, com o slogan “Falemos todos pela Segurança do Paciente” (Speak up for Patient Safety). A Sobrasp (Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente) visando uma campanha abrangente no Brasil, sugere uma mobilização conjunta de associações e sociedades técnico-científicas, profissionais, instituições governamentais ou não, empresas prestadoras de serviços de saúde e demais organizações comprometidas com a segurança do paciente.

Treinamento tem simulação de ressuscitação cardiopulmonar

O Hospital Samaritano Campinas em parceria com Centro de Formação Profissional ISI finalizou o treinamento de Ressuscitação Cardiopulmonar módulo prático. As aulas aconteceram no HSC entre os dias 07 e 08 de agosto com manobras em ressuscitação cardiopulmonar com simulação realística. As aulas teóricas sobre anatomia coração e pulmão, parada cardiorrespiratória e técnicas para ressuscitação cardiopulmonar foram disponibilizados, em julho, em formato EAD.

“Para a realização prática dos treinamentos, um quarto na Ala B foi montado com todos os elementos necessários. O Hospital forneceu o local e materiais enquanto ISI, levou o boneco simulador e os docentes para completar um ambiente adequado. Assim, enfermeiros e técnicos de enfermagem puderam vivenciar um momento mais próximo de uma realidade de atendimento de parada cardiorrespiratória”, contou Cleide Aparecida Moreira Sanches, enfermeira da Educação Permanente.

“A ansiedade, o nervosismo, o senso de responsabilidade em salvar a vida foram sentimentos relatados pelos participantes no momento da simulação. A cada treinamento, foi observado o empenho dos alunos em realizar as manobras de ressuscitação de uma vítima em parada cardiorrespiratória”, acrescentou.

Setembro Amarelo: divulgação marca ações de prevenção ao suicídio

Ao longo dos anos, os índices de suicídios vêm aumentando em larga escala no Brasil e no mundo, tornando-se um problema de saúde pública. Em Campinas, a taxa aumentou de 1,7 (em 1990) para 5,6 casos (em 2017) a cada 100 mil habitantes, segundo pesquisa realizada pela UNICAMP em parceria com a Prefeitura. E o que vem alarmando ainda mais é o aumento de casos entre jovens de 15 a 24 anos, relatou o CVV (Centro de Valorização da Vida).

A ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) preconiza que 96,8% dos casos de suicídio está ligado a algum histórico de doença mental que pode ser tratada. A informação correta direcionada à população é muito importante para orientar e prevenir o suicídio. Nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. O dado, da Organização Mundial da Saúde (OMS), indica que a prevenção é fundamental para reverter essa situação, garantindo ajuda e atenção adequadas.

O dia 10 de setembro foi escolhido pela ONU (Organização das Ações Unidas) como o dia da luta mundial de prevenção ao suicídio. O CVV com o apoio do CFM (Conselho Federal de Medicina) e da ABP expandiu, desde 2014, a campanha Setembro Amarelo para todo o mês de setembro com a intenção de ampliar a divulgação das ações de prevenção ao suicídio.

A ideia da Campanha é dar visibilidade à causa, divulgando informações que possam salvar vidas. O site www.setembroamarelo.com disponibiliza vários materiais gratuitos para divulgação. Já o CVV, em 2019, produziu vídeos com o objetivo de reduzir os crescentes índices de suicídio entre jovens e adolescentes no país. Todos os materiais estão disponíveis ao público para uso gratuito e livre, compartilhando informações de qualidade e na linguagem adequada, favorecendo o diálogo aberto, livre de mitos e tabus sobre o assunto. Acesse https://www.cvv.org.br/conheca-mais/ e confira! Você pode ajudar a salvar vidas!

TEMPO DE CASA

Em setembro, seis colaboradores estão completando entre cinco e trinta anos de trabalho no HSC. A todos eles, nosso carinho e abraço pelo empenho e dedicação.

Admissão Colaborador Cargo Tempo
17/09/2014 Debora V. Costa                                                   Tec. de Enfermagem            5
15/09/2014 Joelma Luzia de Oliveira                                              Tec. de Enfermagem            5
15/09/2014 Gustavo de Almeida Mota                                               Enfermeiro                    5
01/09/2014 Thais G. Lopes                                                   Tec. em Farmácia              5
01/09/1999 Rosangela G. Gonçalves                                           Telefonista                   20
19/09/1989 Maria E. de Oliveira                                           Aux. de Limpeza               30

David, do Laboratório, participa de missão de paz no Haiti

Entre os meses de fevereiro e julho de 2004, o biomédico e coordenador do Laboratório do HSC, David Bernardo Antolino (34 anos) esteve no Haiti, em missão de paz. David integrou o Batalhão Brasileiro de Força de Paz como soldado do Exército Brasileiro. Na época, ele era técnico de enfermagem e tinha 19 anos.

David durante a missão de paz

Em 2003, o biomédico foi convocado para o Exército e permaneceu até dezembro de 2004. Durante a missão de paz, ele atuou na área da saúde oferecendo assistência (vacinas e realização de partos, por exemplo) aos moradores. “Quando estamos em missão, recebemos diversos tipos de treinamentos porque numa intercorrência com um médico, o restante da equipe pode dar o suporte”, disse David.

A vivência diária em um país que apresentava uma realidade bem diferente da brasileira contribuiu de maneira significativa em sua vida. “Passei por momentos de muita pressão psicológica e emocional e sentia muita falta da família. Perdi alguns amigos por conta da depressão e outros voltaram para o Brasil precisando de tratamento psicológico”, relembrou.

Muita pobreza, falta de saneamento, tristeza e sofrimento. Era essa a rotina do biomédico no Haiti. “Sofríamos muita pressão no dia a dia e através dessa vivência, trouxe de volta um grande aprendizado. Passei a valorizar mais a minha vida, família e amigos. Foi sofrido, mas uma experiência muito gratificante”, destacou David que atua no HSC desde 2014.

HSC quer incentivar as práticas dos protocolos de segurança do paciente

Para contribuir com a melhoria da qualidade dos serviços e difundir a ideia de cultura de segurança do paciente nos profissionais de saúde e ambiente de assistência, foi criado o ” Núcleo de Segurança do Paciente”.

De acordo com a enfermeira da Educação Permanente, Cleide  Sanches, o Núcleo de Segurança do Paciente, tem como objetivo a promoção e a articulação dos processos de trabalho em saúde para as informações que possivelmente possam impactar nos riscos ao paciente. Além de envolver as diferentes áreas assistências e de apoio, considerando o paciente como sujeito e objetivo final do cuidado em saúde. “O paciente tem que estar seguro, independente do processo de cuidado ao qual ele está sendo submetido”, falou.

A enfermeira explicou ainda que uma das formas de promover e apoiar a implantação de iniciativas voltadas à segurança do paciente é a implantação dos protocolos internacionais de segurança do paciente como: Identificação correta do paciente; Comunicação efetiva; Cirurgia segura; Higiene das mãos para evitar infecções; Segurança na prescrição e administração de medicamentos; Prevenção de quedas e lesão de pele.

Nesta edição do Informativo do HSC, será abordada informações sobre identificação correta do paciente.

IDENTIFICAÇÃO CORRETA DO PACIENTE

É imprescindível que todos os pacientes estejam com pulseira contendo seu nome completo, data de nascimento, número de atendimento hospitalar e nome do médico responsável pelo paciente.

“Adotar práticas e protocolos voltados para a segurança do paciente é a primeira etapa do processo para segurança e, a identificação do mesmo é o primeiro tópico a ser trabalhado em uma Instituição de saúde”, completou Cleide.

 Na identificação do paciente, é assegurado que a ele seja destinado determinado tipo de procedimento ou tratamento, prevenindo- o de ocorrência de falhas e enganos assistências. No HSC, essa identificação é feita por meio de pulseiras na cor branca, a qual o Serviço de Atendimento ao Cliente, ou seja, a recepção de Internação tem papel fundamental no preparo das pulseiras e na colocação delas nos pacientes, preferencialmente no punho esquerdo (salvo internações no membro superior esquerdo). A pulseira colorida na cor rosa pink é utilizada para alerta aos profissionais de saude, quando pacientes informarem qualquer tipo de alergia.

“Vale lembrar que a pulseira branca e pink (se necessária), devem permanecer com o paciente durante todo o tempo em que ele estiver hospitalizado. Se a pulseira estiver danificada, ilegível ou retirada por necessidades do paciente, a equipe de saúde deve solicitar novas pulseiras à Recepção”, lembrou a enfermeira. A conferência da pulseira e do paciente dever ser realizada antes de qualquer atendimento ou procedimento.

“Pacientes identificados, além de assegurar o paciente, também assegura os profissionais de saúde e a Instituição”, destacou a enfermeira. Quando pacientes estiverem sem as pulseiras, as notificações devem ser realizadas e encaminhadas ao “Núcleo de Segurança do Paciente”.