blog

Dr. Menezes: um homem exemplo de competência, confiabilidade e dedicação à família e à medicina

No dia 09 de junho, o cofundador do Hospital Samaritano Campinas, o médico radiologista e patologista Dr. José Ribeiro de Menezes Netto faleceu. Por quase toda a sua vida, se dedicou ao atendimento de pacientes do Hospital e a lecionar em importantes faculdades. Para ele, compartilhar conhecimento era essencial.

Era conhecido e reconhecido por ser um profissional brilhante e para sua família, marido, pai e avô exemplar. Por onde passava deixava rastros de conhecimento e respeito ao próximo. Carinhosamente chamado por “Juca” por sua esposa, Mara Silvia Carvalho de Menezes, Dr. Menezes dividiu sua vida com ela por 54 anos. Deixou dois filhos médicos, Dra. Ana Silvia (especialista em anatomia patológica e responsável pelo Laboratório Menezes) e Dr. Luís Fernando (pesquisador que atua no National Institutes of Health, um dos maiores centros de pesquisas dos EUA), além de ter três netos, Lucas, Thomas e Laura e a nora, médica radiologista, Dra. Andréia (pesquisadora no Johns Hopkins). Além, é claro de uma porção de amigos e admiradores.

Agora, segundo Mara, a missão não tem sido fácil. “Durante mais de 50 anos, dividimos nossas tarefas e rotinas e, sem ele, estou tendo que aprender. Mas nada disso me entristece pois sei que ele viveu e morreu com muita dignidade, foi um homem que nos poupou até na hora de sua partida”, contou. “Ao se despedir de nós, ele disse que estava pronto para encontrar o Criador, que sua vida foi realizada e que teve a melhor família que poderia ter. Disse que estava em paz, sentindo uma enorme gratidão por tudo que viveu. E por fim, pediu que disséssemos a seus amigos, que foi um privilégio tê-los tido como amigos”, acrescentou emocionada. Mara faz parte do conselho deliberativo da Federação Amor Exigente e foi cofundadora do programa no Brasil e na América Latina. Atua como voluntária há 33 anos.

COMPETÊNCIA ERA SUA MARCA

Para o diretor técnico do HSC, Dr. Sérgio Pinotti, Dr. Menezes foi um profissional dedicado e extremamente competente e atualizado. “Estava sempre pronto para discutir os casos com os profissionais mais jovens, como eu. Tanto na patologia quanto na radiologia. Sempre solicito, nunca se recusava a dar atenção e ensinamentos. Estudioso, estava sempre se atualizando e, embora tenhamos perdido o contato por alguns anos, acabei reencontrando-o no Hospital Samaritano Campinas. E, apesar do tempo em que ficamos distantes, ele se manteve o mesmo: acessível e comprometido. Além da dedicação à medicina, estava sempre atento aos acontecimentos políticos do país. Seus companheiros inseparáveis eram o IPAD e o jornal O Estado de S. Paulo. Figura que será sempre lembrada nos anais do Hospital Samaritano Campinas”.

Equipes de enfermagem elogiam implantação de novo sistema de gestão em saúde

O software SOUL MV já não é mais considerado o “futuro” nos hospitais Samaritano. A iniciativa já faz parte do dia a dia dos gestores e por essa razão, sendo considerado como um item essencial da atualidade.

Nesse segundo boletim informativo sobre a implantação do software, o destaque é a participação da equipe de enfermagem. “Essa equipe mostrou, desde o início, disposição para os cadastros, organização na distribuição de tarefas e agilidade no cumprimento das metas”, elogiou Vera Lúcia da Rosa, gestora do projeto MV – empresa líder em software de Gestão em Saúde – no Samaritano.

“Estamos chegando na fase final de padronização das tabelas de todos os hospitais, um período crítico e de muito trabalho”, falou. O treinamento aos multiplicadores já teve início e agora é a hora de ver na prática as padronizações e promover as alterações necessárias. Além disso, a eles cabe a responsabilidade de aprender e repassar o conhecimento aos demais colaboradores envolvidos. O sistema deve entrar em operação no dia primeiro de outubro de 2018.

“Padronizar os processos de um hospital é desafiador. Fazer parte de um grupo de discussão para padronização de um grupo de hospitais como a rede Samaritano Saúde é, sem dúvida, enriquecedor. É estar reciclando conhecimento, trocando experiência e entendendo a diversidade de culturas existentes em cada hospital. Momentos de aprendizagem e de apreensão, se estamos contemplando o melhor para todas as realidades dos hospitais, nos acompanham a cada encontro. Estamos dedicando tempo e esforço para alcançarmos um padrão de excelência nos processos das unidades. E sem dúvida, estamos melhorando a cada dia.  Que a implantação do SOUL MV seja um facilitador na nossa assistência e na gestão dos processos.” Enfª Sara da Silva Barbosa – Enfermeira RT – Hospital Samaritano Hortolândia

“Em plena era da informação, o Hospital Santa Ignês e toda a rede de Hospitais Samaritano buscaram unificar a gestão do trabalho, integração entre as áreas e padronização dos processos. Para isso, somaremos ideias e multiplicaremos ações. Buscamos trabalhar com excelência, porque somos referência. Mas, é preciso transformar sem perder a essência. Com a implantação do software estamos conseguindo identificar os pontos a serem melhorados da gestão, processos que demandam ajustes e mudanças. E o SOUL MV é um parceiro na identificação das necessidades de melhorias. E poder fazer parte desse grande time, estar junto em todos os processos tem sido um grande aprendizado. É necessária muita dedicação, pois já temos uma rotina dentro da instituição. É um desafio diário desenvolver tudo que sabemos, de forma informatizada, e aprender muito sobre o trabalho do outro, isso gera um impacto muito positivo. Gerir processos que não iremos executar diretamente, pensando no melhor para o outro. Chegar num consenso com toda uma equipe, que traz rotinas e realidades diferentes, é realmente desafiador, mas tem dado muito certo, pois estamos vivendo uma troca de conhecimento intenso. Estamos fazendo o SOUL MV acontecer e ser um pedacinho disso é, com certeza, muito gratificante.” Enfª Monize V. Leite – Educação Permanente – Hospital Santa Ignês – Indaiatuba

“Trabalho há 10 anos no Hospital Samaritano Campinas e, ao longo desses anos, pude acompanhar o crescimento de toda a rede e o avanço das tecnologias. Participar da estruturação de um processo com desafios e expectativas me trouxe muito aprendizado, pois dia a dia dei o melhor de mim. E compartilhei com as outras equipes rotinas de trabalho para a unificação das atividades no Samaritano com o objetivo de levar aos nossos clientes o que há de melhor e mais seguro. Na era da segurança ao paciente, vejo que o SOUL MV fará total diferença com a interação de todos os processos mesmo antes da chegada do paciente ao hospital e depois da sua saída. Com o SOUL MV ampliei o meu conhecimento e estou pronta para o próximo desafio.” Enfª Carla Zanini – Coordenadora de Enfermagem UCO – Campinas

Hospital Samaritano Campinas tem Ambulatório de Cardiopediatria

As crianças beneficiárias do PHS Samaritano Saúde atendidas pelo HSC (Hospital Samaritano Campinas) têm mais um diferencial de atendimento. Foi implantado o Ambulatório de Cardiopediatria. Agora, os pequenos diagnosticados com alterações cardiológicas são atendidos por esse serviço especializado dentro do Hospital.

“Quando, por exemplo, nasce um bebê com sopro, fazemos a consulta e os exames necessários ainda dentro do Hospital”, explicou Dra. Priscila Facanha Maruoka, cardiologista pediátrica, responsável pelo serviço.

O Ambulatório de Cardiopediatria é novidade no HSC. “Trata-se de consultas agendadas para os pacientes infantis que possuem algum problema cardiológico. O atendimento é feito no próprio Hospital. Se o pediatra perceber que precisa de uma avaliação especializada, ele encaminha para o Ambulatório. Atendemos e realizamos exames necessários para diagnóstico”, destacou Dra. Priscila.

“O paciente desde que nasce pode ter o acompanhamento com a gente. Uma a cada 100 crianças que nasce tem problemas cardíacos e agora elas são acompanhadas não só dentro do Hospital, quando internadas, mas também em consultas ambulatoriais”, completou.

 Para ela, é importante avanço em uma unidade hospitalar. “O Hospital Samaritano de Campinas já tem uma estrutura de maternidade bem completa e realiza cirurgias cardíacas e agora, com a retaguarda da cardiopediatria garante mais segurança e qualidade de vida para as crianças que nascem com problemas no coração”, falou. Segundo a especialista, em hospitais em que o serviço não é oferecido, uma avaliação pode levar mais de uma semana para ser feita.

“O paciente tem total amparo e passa a ser acompanhado por um serviço especializado”, acrescentou. A princípio, duas cardiopediatras estão atendendo as crianças, na internação e suporte às urgências e emergências e outra, nas consultas ambulatoriais, mediante agendamentos (Dra. Priscila Facanha Maruoka e Dra. Aline Potrich Poletini). O atendimento especializado no HSC deve ser agendado pelo telefone (19) 3736-1197.

NOVIDADE

O HSC poderá, em breve, atender também as grávidas com fetos com problemas cardiológicos. O atendimento, que vai desde complementação do diagnóstico que inclui a avaliação cardiopediátrica até a resolução cirúrgica, que quando é necessário, é acompanhado em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) especializada.

“Estamos batalhando para que tanto os beneficiários como os ginecologistas e obstetras fiquem mais seguros. Os especialistas poderão ter a possibilidade de encaminhar pacientes grávidas com bebês intrauterinos com patologia cardiológica para o atendimento especializado”, disse o médico ginecologista e obstetra, Dr. Mauro Villa Real, do PHS Samaritano Saúde.

“Não existe serviço em Campinas com esta dotação. Admitir o paciente tanto dentro como fora da barriga da mãe, estabelecer um diagnóstico e um tratamento é inovador. Uma das grandes dificuldades do obstetra quando se depara com um diagnóstico desse, de uma patologia cardíaca fetal, é se questionar para onde vou mandar esta mãe? Assim como o pediatra quando precisa de uma ajuda especializada”, falou.

Novo Software de Gestão Hospitalar está em implantação nos hospitais Samaritano

Desde o dia 08 de fevereiro, a MV – empresa líder em software de Gestão em Saúde -, está implantando nos hospitais Samaritano o que há de mais avançado em software hospitalar. O objetivo é melhorar o dia a dia, a experiência dos pacientes e também oferecer uma oportunidade única de união em prol da melhoria das rotinas e práticas assistenciais.

Marcos Gobi, gerente de projetos da MV, destacou que “o projeto de implantação SOULMV está repercutindo para todos os setores dos Hospitais Samaritanos. A primeira etapa do projeto foi a fase de Discussões de Processos com todas as áreas, em que apresentamos os fluxos dos processos e discutimos as melhores práticas das rotinas operacionais dos setores”. Para ele, “a participação dos coordenadores e multiplicadores foi um sucesso, houve debates de como melhorar as rotinas dos setores, a forma de padronizar esses processos para todas as unidades que fazem parte dos hospitais”.

“Agora, estamos entrando na fase de treinamento de cadastros de tabelas e configurações, momento esse muito delicado, em que precisamos abordar de forma corporativa o padrão de cadastros de produtos, itens de prescrição, procedimentos, etc. Nessa fase está havendo uma intensa integração entre as pessoas com intuito de decidirem a melhor forma dos cadastros dentro do sistema SOULMV”, completou Gobi.

“Além disso, houve repercussão na área médica com o debate dos fluxos da assistência ao paciente, houve participação ativa dos médicos para decidirem o melhor processo operacional para obtermos o melhor atendimento ao paciente”, frisou o gerente de projetos.

“Estamos muito felizes pelo empenho dos colaboradores do Samaritano pelo engajamento, colaboração e dedicação, sabemos que não é fácil elencar as atividades do dia a dia e compartilhar atividades do projeto, mas estamos no caminho do sucesso”, concluiu.

IMPLANTAÇÃO

A implantação de um software de gestão não é uma tarefa simples. Ela está sendo feita simultaneamente em cinco hospitais. “É necessário além de tudo comprometimento e isso eu vejo diariamente nas equipes que vêem ao Hospital Santa Ignês, em Indaiatuba, para os treinamentos. Elas chegam com um único objetivo, fazer esse grande projeto acontecer na prática”, ressaltou gestora do projeto MV no Samaritano, Vera Lúcia da Rosa.

O projeto se divide em cinco fases. “Estamos na terceira que é fase de cadastros e padronizações de todas as tabelas dos hospitais. Depois, com equipes maiores, passaremos para a fase de simulações do atendimento, desde a recepção, passando por hotelaria, higiene, manutenção, centro cirúrgico, nutrição, internação, faturamento até o arquivamento do prontuário. O mês de outubro é o nosso prazo final para implantação e sabemos o quanto tudo isso tem exigido de todos nós e ainda vai exigir um pouco a mais”, falou.

A gestora do projeto MV no Samaritano agradeceu a dedicação de todos e ressaltou a importância de cada um para que a mudança gere resultados positivos. “Todos fazem parte dessa mudança e sentimos orgulho por estarmos juntos, avançando nesse projeto e fazendo história. A nossa força vem dos nossos ideais e da força da nossa equipe. Somos um só Samaritano, uma só família”, finalizou.

Semana da Enfermagem reúne profissionais do Hospital

Entre os dias 14 e 18 de maio, aconteceu no HSC a Semana da Enfermagem. Com o tema “Cuidando do corpo e da mente”, os profissionais da instituição participaram de uma série de palestras e atividades voltadas para o aperfeiçoamento, qualidade de vida, bem-estar e saúde.

A programação contou com a participação de médicos e especialistas e com atividades práticas como auriculoterapia, quick massage e ginástica laboral. Os temas das palestras foram: Qualidade de Vida e Saúde, Saúde e Bem-Estar, Afine-se, Viva bem com a Coluna que você tem, Estresse x Problemas Cardíacos, A Droga do Stress e Detetive da Dor.

“O objetivo foi comemorar a Semana da Enfermagem e proporcionar momentos de descontração, reflexão e relaxamento para os colaboradores do Hospital”, disse Carolina Furquim Degrande, gerente de enfermagem. “A ideia foi que eles pudessem aproveitar as palestras e atividades para que haja melhoria não só no ambiente de trabalho, mas na qualidade de vida de cada um deles”, completou.

Fotos: Erika Almeida

Hospital Samaritano Campinas realiza cirurgia endovascular com transmissão ao vivo

A realização de cirurgia endovascular, que substitui – quando indicado – os procedimentos abertos, já é realidade nos hospitais Samaritano Campinas e no Santa Ignês, em Indaiatuba. Recentemente, o cirurgião vascular Dr. Guilherme Meirelles e equipe realizaram na sala de Hemodinâmica do Hospital Samaritano de Campinas uma correção de aneurisma e aorta da aorta toraco-abdominal. Considerada a maior cirurgia que existe na área, foi utilizada uma técnica “inusitada” que permitiu o salvamento de uma artéria renal oriunda desse aneurisma. O procedimento foi transmitido ao vivo.

De acordo com Meirelles, foi confeccionada uma endoprotese sob medida para o paciente, com um ramo desenhado para cada artéria visceral (tronco celíaco, artéria mesentérica superior, e renais direita e esquerda). “Devido posição (angulação) e comprimento da artéria renal esquerda esta não permitiu a passagem da endoprotese por via femoral. Portanto, optou-se em realizar o acesso da artéria mesentérica superior e tronco celíaco pela endoprotese fenestrada e as artérias renais utilizando a técnica de Chaminé. As artérias renais foram tratadas com a liberação do stent revestido em paralelo ao corpo da prótese principal, permitindo a correção do aneurisma, e o salvamento do rim do paciente”, explicou.

Com o suporte do serviço de Hemodinâmica e a equipe altamente qualificada da Unidade Coronariana do Hospital Samaritano Campinas, foi possível a realização da cirurgia com sucesso. O paciente já recebeu alta e está curado da doença.

AO VIVO 

A cirurgia foi transmitida ao vivo para o auditório do Hospital Samaritano de Campinas. “Cirurgiões vasculares de vários estados do Brasil puderam acompanhar o procedimento, confirmando mais uma vez, a vocação desse Hospital na vanguarda da cirurgia vascular com realização de cirurgias de alta complexidade e ensino de procedimentos médicos”, finalizou o especialista.

Hospital Samaritano de Campinas faz cirurgia inédita intrauterina

O Hospital Samaritano de Campinas realizou uma cirurgia intrauterina inédita na rede particular da cidade. Trata-se de um procedimento para a correção da mielomeningocele, que é uma falha no fechamento do tubo neural que compromete a medula. A paciente de 33 anos e grávida de 25 semanas passou pela cirurgia para minimizar os riscos de hidrocefalia no feto resultante de uma má formação. Segundo a paciente, o feto também tem Síndrome Arnold Chiari, uma malformação do crânio que acontece na altura da junção entre o pescoço e a cabeça.

“Por meio de uma fetoscopia, quando são utilizados pontos com materiais específicos para o fechamento da abertura no tubo neural, tentamos realizar a cirurgia”, informou o médico responsável pelo procedimento Maurício Saito, membro titular da Academia Brasileira de Ultrassonografia e dirigente de Medicina Fetal de várias instituições, que veio de São Paulo junto com sua equipe de profissionais.

“A técnica é muito inovadora na unidade que conta com uma expertise para poucos”, acrescentou o médico ginecologista e obstetra, Mauro Villa Real, do PHS Samaritano Saúde e diretor clínico do Hospital Samaritano de Hortolândia.

ESTRUTURA
O Hospital Samaritano de Campinas forneceu toda a estrutura do centro cirúrgico além de suporte específico como UTI (Unidade de Terapia Intensiva) adulto e neonatal, se fosse necessário.

“A mielomeningocele ou espinha bífida é uma malformação que ocorre devido à falha de fechamento do tubo neural. Este defeito pode resultar em consequências graves para o bebê. No sistema nervoso central temos o deslocamento posterior do cérebro que resulta no acúmulo de líquido que é chamado de hidrocefalia. Essa alteração está associada com sequelas neurológicas como o retardo mental”, explicou Saito sobre a doença.

O especialista completou dizendo que “os nervos expostos da coluna também podem ser lesionados pelo líquido amniótico. As complicações desta situação dependem do nível das vértebras comprometidas. A forma mais comum é a lombo sacral, dessa forma podendo levar a falta de controle da urina, da evacuação intestinal e da sensibilidade da genitália, além da paraplegia dos membros inferiores (perda dos movimentos das pernas)”. Ele afirmou que a cirurgia intrauterina teve a finalidade evitar ou reduzir as complicações relacionadas com esta malformação.

PIONEIRO
A paciente faz pré-natal com o médico ginecologista e obstetra, Mauro Villa Real, do PHS Samaritano Saúde. Para ele, a cirurgia faz parte de um contexto de modernidade dos novos procedimentos. “É uma cirurgia que pode mudar o prognóstico, que muda a história da vida, principalmente, de uma criança. E por ser um procedimento não praticado normalmente, o Samaritano se destaca por sediar uma cirurgia desse porte”, avaliou.

O procedimento durou cerca de 3 horas. “Agora, um novo procedimento para a reparação do canal será realizado quando o bebê nascer”, informou o coordenador do Centro Cirúrgico, Bruno César Mariano.

SOBRE
O Hospital Samaritano de Campinas existe há mais de 35 anos sendo que há cinco anos passou a contar com uma nova gestão. Ele foi criado em 1979, como Sociedade Evangélica Beneficente de Campinas e servia com médicos evangélicos de Campinas à comunidade.

Atualmente, possui cerca de 650 funcionários e conta com corpo clínico composto por médicos renomados, desenvolvendo suas atividades em mais de 150 leitos para atendimentos de Cirurgia Geral, Clínica Geral, Maternidade, UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Adulto, UTI Infantil, UTI Neonatal, Obstetrícia, Pediatria Clínica, Hospital Dia, Unidade Coronariana e Hemodinâmica. Sua estrutura é composta ainda por 10 salas cirúrgicas. Hospital Samaritano de Campinas realiza, em média, mil procedimentos por mês.

Fotos: Erika Almeida