Capacitação ensina profissionais da UTI Neonatal do Samaritano Campinas técnicas do Método Canguru

Profissionais que atuam na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Neonatal do HSC (Hospital Samaritano Campinas) participaram do curso de sensibilização no Método Canguru, ministrado pela consultora do Ministério da Saúde, Sandra Regina de Souza. A capacitação teve início no ano passado e atingiu 98% dos profissionais da Unidade. A equipe foi treinada para utilizar e implantar o Método, que possui inúmeras evidências de ser benéfico aos bebês prematuros (que nascem antes das 37 semanas de idade gestacional) e suas famílias. A ação contou com apoio de Luciene Banstarch, Ana Carolina Pereira, além da Tutora Estadual do Ministério da Saúde, Nelma Cabral, e da coordenação médica e de enfermagem da Unidade Neonatal e Educação Continuada do HSC.

A capacitação, segundo a consultora do Ministério da Saúde, envolveu atualização das técnicas de cuidados que inclui “desde o modo como posicionar o prematuro na incubadora; cuidados com a ambiência (ex: a redução da luminosidade e ruídos); estimulo a amamentação; o contato pele a pele; até o cuidado com os pais”. “A finalidade do curso é capacitar 100% da equipe e implantar as três etapas proposta pelo Ministério da Saúde para reduzir riscos para o prematuro”, explicou Sandra, que recentemente defendeu sua tese de doutorado sobre o assunto na USP (Universidade de São Paulo) de Ribeirão Preto.

“O curso de sensibilização projetado pelo Ministério tem duração de 24 horas, ministrado em três dias consecutivos, em que os profissionais passam por uma imersão no Método. O que fazemos é aplicar o curso de forma dinâmica e participativa, para que a equipe possa analisar a sua vivência e elaborar a transformação da prática, pautada em evidências científicas e de acordo com a recomendação do órgão federal. Ao final do curso, além de realizarem atividades práticas, a equipe elabora propostas de melhorias ao atendimento, partindo da realidade do hospital,” acrescentou Sandra.

De acordo com a consultora, após os três cursos ministrados em 2018, a coordenação da Unidade Neonatal do Hospital Samaritano já está implantando as estratégias do Método Canguru e já promoveu importantes mudanças na Unidade, incluindo avanços na ambiência, a utilização de “ninhos” para posicionamento do prematuro e a implantação da posição canguru.

 

BENEFÍCIOS

“No Samaritano Campinas, o Método teve início em 2017 e é um dos poucos hospitais particulares da cidade que aplicam essa metodologia. O Método Canguru possui diversas vantagens para o bebê e a família, como por exemplo, possibilita ao recém-nascido o adequado controle da temperatura; reduz o risco de infecção hospitalar; diminui o estresse e a dor; melhora a qualidade do desenvolvimento do prematuro; estimula e aumenta o aleitamento materno; facilita o vínculo afetivo do bebê com a mãe/pai e possibilita maior habilidade dos pais no cuidado do seu filho, inclusive após a alta para casa”, destacou Sandra.

 

O CURSO

O Ministério da Saúde estimula a participação da equipe multiprofissional no curso, ou seja, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacional, psicólogos, técnicos em enfermagem, nutricionista e assistente social. “No dia a dia, é preciso que a equipe atue de forma conjunta e ‘fale a mesma língua’ para que o resultado seja efetivo, por isso é muito importante a participação de todos os profissionais nos cursos”, reforçou a especialista.

“Nos hospitais, o curso de sensibilização é ministrado pelos Tutores Estaduais capacitados pelo Ministério da Saúde. O Ministério também está expandindo esse curso para a Atenção Básica de Saúde a fim de realizar um cuidado compartilhado. O Hospital que tem a equipe sensibilizada para o Método Canguru e as etapas implantadas, oferece um cuidado especializado para o bebê e para a família reduzindo riscos de morbidade (doenças) e a mortalidade. No Brasil, temos 27 Referências Estaduais e 6 Referências Nacionais, em que profissionais podem buscar informações sobre o Método”, explicou Sandra que é consultora nacional do Método Canguru e atua como enfermeira na Unicamp, que é uma referência nacional para hospitais de ensino.

O curso também promove discussões sobre saúde do trabalhador, ou seja, cuidados com a equipe que atua na Unidade Neonatal. “É preciso cuidar do profissional que trabalha nessa unidade, pois a equipe precisa ‘estar bem’ para cuidar do recém-nascido e da família”, completou Sandra.

“O Método é apaixonante, principalmente porque ele salva vidas e além de salvar vidas, promove qualidade de vida para os bebês que nasceram prematuros. Amo ministrar o curso, pois além de ter inúmeras evidências científicas dos benefícios, sei que os bebês e suas famílias são cuidados de uma maneira diferenciada pela equipe que foi sensibilizada. Saber que vou contribuir para salvar vidas e melhorar a assistência é muito gratificante”, disse a consultora em relação a capacitação de equipes.

 

O QUE É

O Método Canguru teve início na Colômbia com o intuito de reduzir infecção, melhorar os cuidados prestados ao recém-nascido prematuros e/ou de baixo peso, reduzir a mortalidade e acabou expandindo para o mundo. No Brasil, tornou-se uma Política Pública do Ministério da Saúde e é norteado pela portaria 930. Ele tem por objetivo estabelecer um modelo de atenção humanizada e qualificada ao recém-nascido prematuro e baixo peso e família.

A enfermeira especializada na técnica explicou que existe uma diferença entre a Posição Canguru (contato pele a pele) e o Método Canguru. “O Método Canguru reúne várias estratégias de intervenção que favorece o cuidado ao recém-nascido e à sua família. Tem início no pré-natal de risco e dá continuidade na unidade Neonatal e segue após a alta hospitalar (até o bebê completar peso de 2.500g). Ele promove a participação dos pais nos cuidados com o bebê desde a internação, preparando-os progressivamente para a alta”, falou.

“Já a Posição Canguru, que é uma das estratégias do Método Canguru, consiste em manter o bebê em contato pele a pele com os pais pelo tempo máximo que seja prazeroso para eles. É importante que o bebê esteja sem roupa (só de fralda) e que fique em contato com a pele com mãe (dentro da camisola), pois o contado da pele do recém-nascido com a pele da mãe/pai é o que irá aquecê-lo, protegê-lo e promover estímulo”, completou. Ela acrescentou ainda, que o contato pele a pele, pode e deve ser feito em casa, quando o prematuro tem alta do Hospital. “O contato também promove benefícios para os bebês que nasceram a termo, ou seja, no ‘tempo certo’, assim, apesar das grandes vantagens serem para o prematuro, a posição canguru é indicada para todos os bebês”, finalizou. De acordo com a consultora, a OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda o Método Canguru.    

‘Agosto Dourado’ no HSC reforça importância do aleitamento materno

Em alusão ao mês voltado às ações de incentivo à amamentação, o “Agosto Dourado”, o Hospital Samaritano Campinas promoveu uma exposição de fotos com mães amamentando no Pronto-Socorro da Ginecologia e na Recepção da Internação e, na última semana do mês, todos os recém-nascidos ganharam um balão dourado.

Já as puérperas, receberam a visita de uma equipe formada pela enfermeira, Siméia Feltrin, a assistente social, Camila C.R. de Freitas, e a psicóloga, Monique Mioralli. As profissionais falaram sobre a importância da amamentação e do vínculo entre mãe e bebê.

   

A Maternidade foi decorada com laços na cor dourada para remeter ao tema.
O “Agosto Dourado” é um mês voltado também à sensibilização de profissionais e da população em geral para a importância do ato de amamentar, buscando o apoio e o estímulo ao gesto. O dourado faz alusão à definição da OMS (Organização Mundial da Saúde) para o leite materno: alimento de ouro para a saúde dos bebês.

‘Cantinho do Elogio’ quer valorizar e reconhecer o trabalho dos colaboradores do HSC

O HSC está implantando um importante projeto de valorização e reconhecimento dos colaboradores. Trata-se do “Cantinho do Elogio”. Ele foi criado pelas equipes de Recursos Humanos e Relacionamento com o Cliente com o objetivo de valorizar e reconhecer o empenho de cada um, sob o olhar de gratidão dos clientes Samaritano.

No corredor em frente à sala da coordenação de enfermagem, foi fixado um quadro de elogios. Neste espaço, ficam expostos os elogios feitos pelos clientes, em relação ao atendimento recebido.

 

 

PREMIAÇÃO

A premiação será individual, com avaliação trimestral. O colaborador que receber mais de um elogio, dentro do período de três meses, será contemplado com a premiação e a sua foto ficará exposta no banner dos melhores do trimestre.

Na primeira etapa do projeto será necessário que, todos os colaboradores, respondam a pesquisa de premiação, que está disponível na urna próxima ao quadro dos elogios, até o dia 10/10/2018.

O cronograma tem ainda a captação, contagem e tabulação dos elogios recebidos entre os meses de outubro a dezembro de 2018. A primeira premiação, que irá contemplar os melhores do trimestre, será em janeiro de 2019.

 INSPIRAÇÃO

O “Cantinho do Elogio” foi inspirado no maqueiro do Centro Cirúrgico, Elias Andrade Pereira. Um colaborador ímpar que recebe em média 15 elogios por semestre – número contabilizado no primeiro semestre de 2018. Um profissional que vai além das funções que lhe foram atribuídas e que, se destaca, pela empatia e amor dedicados aos clientes.

Força de vontade faz técnica de enfermagem emagrecer 48 kg sem remédios ou cirurgia

Determinação, força de vontade e muita disciplina. Foi assim que a técnica de enfermagem do HSC, Mayara Cristina Soares de Oliveira, eliminou 48 quilos em oito meses. A história dela é daquela que motiva qualquer um e nos faz acreditar que pode dar certo.

Após sua segunda gestação, ela passou a ter pressão alta. Realizou diversos exames para descobrir a razão, mas não obteve sucesso. “Minha mãe teve hipertensão após meu irmão mais novo ter nascido e com 40 dias de vida dele ela teve seu primeiro AVC. Três anos depois, ela faleceu e isso me traumatizou”, contou. Mayara começou a repensar no sofrimento que passou e não queria que seus filhos passassem pela mesma situação.

“Foi aí que decidi realizar uma reeducação alimentar com uma equipe de profissionais especializados em emagrecimento e passei a realizar exercícios físicos”, falou. Ela tem 29 anos, mede 1,73m e atualmente pesa 82 quilos.

 

MUDANÇA

Depois de procurar ajuda especializada, realizou a bioimpedância (exame que mede através de uma leve corrente elétrica que passa pelo corpo a quantidade de água, gordura e massa magra) e descobriu o motivo da hipertensão e da depressão: o excesso de peso.

“É claro que no início do tratamento tive muitas dificuldades, mas com apoio e acompanhamento adequado, não desisti. Hoje, posso dizer que foi a melhor escolha da minha vida. Mudei minha rotina de alimentação e comecei a praticar exercícios físicos. O resultado foi muito satisfatório ainda não cheguei no meu objetivo, mas estou caminhando para chegar”, frisou.

“Me sinto outra mulher, linda e quase magra. Pretendo seguir uma alimentação sempre adequada para eu não desviar meus pensamentos daquilo que eu quero realmente na minha vida para sempre”, completou.

Para quem quer seguir seu exemplo de superação, Mayara deixou um recado: “Tome coragem de ir atrás daquilo que deseja. A tarefa não será fácil, mas não é impossível. Sem persistência, não há resultado”.

Equipes de enfermagem elogiam implantação de novo sistema de gestão em saúde

O software SOUL MV já não é mais considerado o “futuro” nos hospitais Samaritano. A iniciativa já faz parte do dia a dia dos gestores e por essa razão, sendo considerado como um item essencial da atualidade.

Nesse segundo boletim informativo sobre a implantação do software, o destaque é a participação da equipe de enfermagem. “Essa equipe mostrou, desde o início, disposição para os cadastros, organização na distribuição de tarefas e agilidade no cumprimento das metas”, elogiou Vera Lúcia da Rosa, gestora do projeto MV – empresa líder em software de Gestão em Saúde – no Samaritano.

“Estamos chegando na fase final de padronização das tabelas de todos os hospitais, um período crítico e de muito trabalho”, falou. O treinamento aos multiplicadores já teve início e agora é a hora de ver na prática as padronizações e promover as alterações necessárias. Além disso, a eles cabe a responsabilidade de aprender e repassar o conhecimento aos demais colaboradores envolvidos. O sistema deve entrar em operação no dia primeiro de outubro de 2018.

“Padronizar os processos de um hospital é desafiador. Fazer parte de um grupo de discussão para padronização de um grupo de hospitais como a rede Samaritano Saúde é, sem dúvida, enriquecedor. É estar reciclando conhecimento, trocando experiência e entendendo a diversidade de culturas existentes em cada hospital. Momentos de aprendizagem e de apreensão, se estamos contemplando o melhor para todas as realidades dos hospitais, nos acompanham a cada encontro. Estamos dedicando tempo e esforço para alcançarmos um padrão de excelência nos processos das unidades. E sem dúvida, estamos melhorando a cada dia.  Que a implantação do SOUL MV seja um facilitador na nossa assistência e na gestão dos processos.” Enfª Sara da Silva Barbosa – Enfermeira RT – Hospital Samaritano Hortolândia

“Em plena era da informação, o Hospital Santa Ignês e toda a rede de Hospitais Samaritano buscaram unificar a gestão do trabalho, integração entre as áreas e padronização dos processos. Para isso, somaremos ideias e multiplicaremos ações. Buscamos trabalhar com excelência, porque somos referência. Mas, é preciso transformar sem perder a essência. Com a implantação do software estamos conseguindo identificar os pontos a serem melhorados da gestão, processos que demandam ajustes e mudanças. E o SOUL MV é um parceiro na identificação das necessidades de melhorias. E poder fazer parte desse grande time, estar junto em todos os processos tem sido um grande aprendizado. É necessária muita dedicação, pois já temos uma rotina dentro da instituição. É um desafio diário desenvolver tudo que sabemos, de forma informatizada, e aprender muito sobre o trabalho do outro, isso gera um impacto muito positivo. Gerir processos que não iremos executar diretamente, pensando no melhor para o outro. Chegar num consenso com toda uma equipe, que traz rotinas e realidades diferentes, é realmente desafiador, mas tem dado muito certo, pois estamos vivendo uma troca de conhecimento intenso. Estamos fazendo o SOUL MV acontecer e ser um pedacinho disso é, com certeza, muito gratificante.” Enfª Monize V. Leite – Educação Permanente – Hospital Santa Ignês – Indaiatuba

“Trabalho há 10 anos no Hospital Samaritano Campinas e, ao longo desses anos, pude acompanhar o crescimento de toda a rede e o avanço das tecnologias. Participar da estruturação de um processo com desafios e expectativas me trouxe muito aprendizado, pois dia a dia dei o melhor de mim. E compartilhei com as outras equipes rotinas de trabalho para a unificação das atividades no Samaritano com o objetivo de levar aos nossos clientes o que há de melhor e mais seguro. Na era da segurança ao paciente, vejo que o SOUL MV fará total diferença com a interação de todos os processos mesmo antes da chegada do paciente ao hospital e depois da sua saída. Com o SOUL MV ampliei o meu conhecimento e estou pronta para o próximo desafio.” Enfª Carla Zanini – Coordenadora de Enfermagem UCO – Campinas

Semana da Enfermagem reúne profissionais do Hospital

Entre os dias 14 e 18 de maio, aconteceu no HSC a Semana da Enfermagem. Com o tema “Cuidando do corpo e da mente”, os profissionais da instituição participaram de uma série de palestras e atividades voltadas para o aperfeiçoamento, qualidade de vida, bem-estar e saúde.

A programação contou com a participação de médicos e especialistas e com atividades práticas como auriculoterapia, quick massage e ginástica laboral. Os temas das palestras foram: Qualidade de Vida e Saúde, Saúde e Bem-Estar, Afine-se, Viva bem com a Coluna que você tem, Estresse x Problemas Cardíacos, A Droga do Stress e Detetive da Dor.

“O objetivo foi comemorar a Semana da Enfermagem e proporcionar momentos de descontração, reflexão e relaxamento para os colaboradores do Hospital”, disse Carolina Furquim Degrande, gerente de enfermagem. “A ideia foi que eles pudessem aproveitar as palestras e atividades para que haja melhoria não só no ambiente de trabalho, mas na qualidade de vida de cada um deles”, completou.

Fotos: Erika Almeida